julho, 2017

Chega de papadas!

Cremes, preenchimentos, lasers e fios de sustentação e mesmo assim, ainda tem alguma coisa que continua ali, te incomodando ao olhar no espelho. Localizada abaixo do queixo, a papada é a grande vilã para homens e mulheres em busca do contorno perfeito. A flacidez natural, em função do envelhecimento, o ganho de peso e o reposicionamento da gordura facial são os principais fatores que causam esse incomodo.

Entretanto, esse problema pode ser amenizado por alguns tratamentos minimamente invasivos, como a criolipólise. A técnica resfria a célula da gordura, na qual passa a ser eliminada lentamente, por meio do sistema linfático, e já pode ser realizada nessa região com bons resultados. É importante salientar que pode ser necessária a associação com outras técnicas para um melhor resultado, uma vez que a criolipólise não atua na melhoria da flacidez da pele do local. Para tal, tecnologias como a radiofrequência e lasers fracionados podem ser utilizadas.

Você deve estar se perguntando se o processo de eliminação da gordura não sobrecarrega o fígado, não é mesmo? A resposta é não. Isso porque somente uma pequena quantidade de gordura é enviada diariamente do sistema linfático para ser metabolizada no fígado. Justamente por essa razão, o processo de eliminação da gordura, na criolipólise, leva algumas semanas.

A criolipólise para a região da “papada” possui uma técnica específica para essa localização. Utilizando uma ponteira menor, a temperatura local pode chegar a cerca de -10ºC. Essa baixa temperatura provoca um processo inflamatório local, que destrói parcialmente as células de gordura da região, que serão eliminadas gradativamente pelo organismo.

A Agência Nacional de Vigiância Sanitária faz algumas ressalvas quanto às máquinas utilizadas nesses procedimentos e, por isso, a fim de garantir segurança ao paciente, é necessário que os equipamentos estejam devidamente registrados na Anvisa. É importante salientar que mesmo sendo um procedimento sem cortes e não invasivo, a criolipólise, quando não realizada corretamente, pode acarretar danos à sua saúde como: queimadura pelo frio, bolhas, cicatrizes e até uma infecção secundária. Por isso, não se arrisque!

A Sociedade Brasileira de Dermatologia recomenda que o procedimento seja realizado por uma equipe que possua um médico dermatologista apto a avaliar, indicar e tratar quaisquer complicações do procedimento.