junho, 2017

Já ouviu falar em rejuvenescimento íntimo?

Técnica trabalha com procedimentos não invasivos para prevenção e tratamento na região genital feminina

Em tempos de nudes, o desejo por estar bela da cabeça aos pés é ainda maior. Seguindo nessa mesma direção, a medicina estética evoluiu e procedimentos realizados, já alguns anos, na face, passaram a ser feitos também na região íntima da mulher. “O rejuvenescimento íntimo ainda é algo recente no Brasil, mas tem deixado de ser tabu. Ele pode abranger tanto questões estéticas quanto funcionais e os resultados têm sido muito satisfatórios”, afirma Patrícia Mafra, dermatologista que, em Belo Horizonte, atua na Clínica Bruno Vargas.

A especialista explica que quando se trata de estética, é possível atuar de forma preventiva e no tratamento de alterações da pele, como flacidez, enrugamento, pregueamento e perda de volume. “Além disso, o tratamento aperfeiçoa a função sexual, por melhorar a lubrificação e a contração vaginal, logo, influenciando na sensação de prazer. Em especial, no climatério, quando as alterações hormonais causam grande impacto”, afirma.

Contudo, segundo Patrícia, o tratamento pode ser indicado também para mulheres mais jovens, que tenham perdido a funcionalidade no sistema digital ou passado por mudanças na aparência, em decorrência de atividade física intensa, emagrecimento acentuado ou gestação, por exemplo. “É possível, também, tratar a incontinência urinária, sem cirurgia”, acrescenta a dermatologista.